The Elder Scrolls V: Skyrim – Revisão da Saga de Fantasia

Foto: Nintendo

Se lhe pedissem para jogar um jogo, qual seria? Seria uma estratégia, ou talvez um atirador? De uma forma ou de outra, todo mundo tem suas próprias preferências, todo mundo tem seu gênero favorito de jogos de computador.

Mas se você recorrer a fontes abertas da Internet, poderá ver que entre os jogadores existem aqueles que gostam de um gênero de jogos como RPG. Mas se nos aprofundarmos no mundo dos jogos de RPG, em breve, sem dúvida, encontraremos um jogo como The Elder Scrolls V: Skyrim.

Foi Skyrim que deu um grande passo à frente não apenas em seu gênero, mas em todo o mundo dos jogos de computador. Então, como ele difere de seus “ancestrais” e “descendentes”?

The Elder Scrolls V: Skyrim, lançado em 11 de novembro de 2011 pela Bethesda Game Studios, imediatamente se espalhou pelo mundo em poucos dias, pois há muitos fãs desta série em todos os cantos do nosso grande e redondo globo.

O jogo não só se tornou muito popular no mundo da informática, mas também recebeu o título de “Jogo do Ano” no Video Game Award em 2011 (na verdade, como as três partes anteriores). Devido ao novo, na época, motor de jogo, o jogo ainda é um dos jogos líderes a esse respeito (é claro, nas configurações gráficas máximas do jogo).

The Elder Scrolls V: Skyrim é um jogo tão bem pensado e bem desenvolvido que mesmo vagando pelo mundo do jogo é impossível encontrar personagens que não estariam fazendo nada, isso simplesmente não vai acontecer (no que diz respeito aos NPCs , sentar e dormir não é considerado). Vamos apenas pensar no fato de que cada NPC jogável tem seu próprio nome. Imagine, não um ou dois, mas um milhão de heróis. Impressionante, não é? Claro, muito provavelmente, todos esses nomes foram inventados aleatoriamente, tobish aleatoriamente, e não por uma pessoa. Mas você deve admitir que jogar um jogo se torna muito mais interessante quando todo o mundo do jogo está vivo e você faz parte desse mundo?

The Elder Scrolls V: Skyrim – Revisão da Saga de Fantasia

Foto: xbox

Trama do jogo

Na verdade, vamos falar sobre o enredo em si. Como você já pode entender, o cenário principal é a província de Skyrim. Skyrim, que tem um clima subártico, é a província mais ao norte de Tamriel. (Tamriel é o continente localizado no planeta Nirn e o nome de um império que já existiu).

Skyrim é o berço de um povo como os Nords. As pessoas mais setentrionais e brutais de todo o universo de The Elder Scrolls.

Em geral, vale dizer que Skyrim é considerado um dos lugares mais perigosos de Tamriel. Talvez não seja em vão que os desenvolvedores decidam conectar o enredo desta província com o aparecimento de inimigos formidáveis ​​​​de pessoas – dragões.

Já se passaram 200 anos desde a Crise do Oblivion. Muitas coisas aconteceram durante este período de tempo, mas o mais importante é, talvez, a Grande Guerra dos povos (Imperials – Empire) e o Aldmeri Dominion. Nesta guerra, os Altmer foram os vencedores claros, e é por isso que a Legião Imperial e o Domínio Aldmeri assinaram um tratado de paz chamado “Concordata Ouro Branco”. Este evento causou uma revolta entre o povo, uma vez que uma parte considerável dos territórios foi reconhecida como Altmer, além disso, segundo o acordo, ninguém tinha o direito de cultuar Talos, o verdadeiro deus dos Nords. Este aspecto era inaceitável, então outra força oposta foi criada – os Stormcloaks.

Este evento afeta muito o enredo do jogo, porque está intimamente ligado à profecia, segundo a qual os dragões e seu líder, Alduin, retornarão a este mundo novamente.

Logo no início do jogo, quando o jogador não tem nem tempo para “lidar com os controles”, embora seja o mesmo em todos os lugares, o personagem principal está a caminho de Helgen, em uma carroça com prisioneiros. Na verdade, ele próprio é considerado um prisioneiro (o que geralmente não é surpreendente para a Bethesda Softworks).

Nessa carroça, nosso herói viaja junto com três prisioneiros: Ralof, Lokir, Ulfric Stormcloak. Todos os quatro personagens têm uma coisa em comum – todos eles estão sendo levados à execução.

The Elder Scrolls V: Skyrim – Revisão da Saga de Fantasia

Foto: Microsoft

Indo um pouco mais longe na história, o jogador percebe que o personagem que ele interpreta não é apenas um personagem, ele é Dragonborn Dragonborn (provavelmente muitos dos leitores já viram memes sobre “Fus Ro Dah” ou algo parecido na internet, então aqui, você sabe, todas essas piadas são sobre o personagem principal do jogo Skyrim).

O personagem principal é previsto pela profecia para matar o próprio Alduin – o devorador de mundos, um inimigo formidável. Em seu caminho você encontrará muitos amigos e inimigos, passará por um mar de provações.

Todo o resto das histórias funciona como um relógio: vá lá, torne-se mais forte, derrote aquele vilão e você será um cara durão. Mas há um grande “mas” aqui: você não pode simplesmente passar por Skyrim 100%, mas é simplesmente impossível fazer isso, já que o jogo tem algo como uma espécie de sistema de missões sem fim, ou seja, missões que quase não têm efeito na trama, pode ser dado um número ilimitado de vezes.

E você não pode simplesmente correr por Skyrim sem entender o significado do jogo. Afinal, este jogo não é apenas bem feito, The Elder Scrolls V: Skyrim é feito com alma. Não é apenas lindamente projetado em termos de percepção visual, mas também foi dada muita atenção às trilhas sonoras do jogo. O lendário compositor e músico Jeremy Soule, que já escreveu um grande número de composições para antigos jogos da Bethesda Softworks: Morrowind, Oblivion.

Não só isso, dos jogos anteriores da série, as facções favoritas de todos permaneceram:

  • Grêmio de Ladrões
  • A Irmandade Sombria.
  • Sínodo.
  • Os Blades (embora o enredo principal esteja conectado a essa facção, infelizmente, o jogador não será um deles).

Muitos novos foram adicionados a eles:

  • O Colégio dos Magos de Winterhold (essencialmente a mesma Guilda dos Magos do TES normal).
  • Os Stormcloaks
  • Companheiros.
  • Dawnguard, Clan Volkihar (ambos relacionados ao mesmo enredo não principal).
  • O Colégio de Bardos.

Resumindo, vale dizer que TES V: Skyrim é algo mais do que apenas um jogo de computador.

Skyrim é um universo inteiro no qual você quer mergulhar repetidamente, descobrindo algo novo. Procure, procure e mais uma vez procure um novo significado, esta é a beleza deste jogo. De novo e de novo para entender quem está certo e quem está errado. Este jogo não só permite que você se divirta, como também faz você pensar em muitas coisas. Mesmo sobre o que está acontecendo na vida cotidiana. Afinal, Skyrim é um jogo de RPG, e esses jogos têm uma semelhança muito próxima com o mundo real.